RESPEITO AO CONSUMIDOR!

Não queremos DESCULPAS!
Não aceitamos o SUBORNO de troca de mercadoria!
QUEREMOS RESPEITO, para não continuarmos a comer comida podre, com bichos, com cocô!

sexta-feira, 18 de março de 2011

Água do Guarujá fornecida pela Sabesp é imprópria, aponta laudo


15/03/2011

Folha de S.Paulo

GUARUJÁ - A água distribuída (pela Sabesp*) na maior parte do Guarujá (86 km de SP) a partir do final de dezembro estava imprópria para consumo, de acordo com laudos elaborados pelo Instituto Adolfo Lutz, a pedido da prefeitura. Neste ano, pelo segundo verão consecutivo, o Guarujá passou por um surto de diarreia.

Foram ao menos 960 casos até os primeiros dias de janeiro. A fonte da contaminação (água fornecida pela Sabesp*) não foi descoberta. No verão de 2010, quando os casos de diarreia chegaram a atingir 6.390 pessoas comprovou-se que o problema ocorreu no abastecimento público, segundo relatório da Vigilância Epidemiológica, órgão da Secretaria de Estado da Saúde.

No verão deste ano, a prefeitura local recebeu laudos de amostras de água retirada da rede da Sabesp em 40 pontos da cidade, como escolas, hotéis, creches e até mesmo em um centro de saúde, um hospital e nas instalações da Pastoral da Criança.

A coleta ocorreu entre os dias 15 de dezembro e 20 de janeiro. A água foi retirada dos cavaletes, antes de chegar às caixas, para garantir a confiabilidade dos testes. A qualidade da água (da Sabesp*) foi considerada "em desacordo com a legislação" e "insatisfatória" em 37 das amostras.

A água contaminada (da Sabesp*) pode transmitir infecções e doenças mais graves, como hepatite e até febre tifoide. A causa mais comum da baixa qualidade da água foi a concentração de coliformes, bactérias presentes nas fezes humanas e animais --29 pontos tinham o micro-organismo. A presença de coliformes na água, diz o padrão de testes realizados, deve ser zero.

Também havia amostras com excesso de cloro residual --o que resta após a fase de tratamento-- e água com cor e turbidez fora do padrão.

Os laudos do Lutz não indicam possíveis causas para a contaminação. Em relação aos coliformes, os técnicos do órgão indicam a urgente necessidade de investigá-las. A prefeitura aplicou autos de infração de R$ 180 por cada um dos laudos. A Sabesp pode recorrer.

Fonte: http://www.agora.uol.com.br/saopaulo/ult10103u888753.shtml

* grifo meu

Um comentário:

  1. não é só Guarujá = https://www.facebook.com/groups/661761557219290/

    ResponderExcluir